Skip to Menu Skip to Search Contate-nos Brazil Sites e Idiomas Skip to Content

Já não basta a organização demonstrar seu compromisso social e ambiental. Cada vez mais a cadeia de fornecimento precisa monitorar e reportar sobre esses indicadores, já que governos, consumidores e sociedade exigem “produtos responsáveis”. O  “Green Procurement” ou aquisição verde  pode ajudar a atender essas expectativas e ainda se transformar em vantagem competitiva.

Basicamente, Green Procurement (GP) ou “aquisição verde “ é a forma de adquirir bens e serviços em que os impactos ambientais têm importante papel na decisão de compra,o que vai muito além de preço e qualidade. A abordagem do GP  se refere a qualquer ferramenta ou critério ambiental que uma organização usa para interagir e auditar sua cadeia de fornecimento, de requisitos internos à políticas públicas que estabelecem diretrizes para avaliação de desempenho e contratação de fornecedores.

Por essa ótica, é comum uma abordagem de processo na qual a organização procura entender tudo o que envolve um determinado produto e verifica/audita seus fornecedores de matéria-prima, por ex. Esse caminho é usado quando a organização quer entender melhor um produto ou linha específica de produtos por conta de objetivos estratégicos ou de marketing.

Uma outra abordagem, que é muito útil quando se lida com grandes e complexas cadeias de fornecimento,  envolve a avaliação das práticas de gestão e conformidade legal do fornecedor.  A organização contratante quer se assegurar de que o fornecedor tem políticas e procedimentos corretos e em vigor em sintonia com suas expectativas e atende a requisitos legais mínimos em outros mercados, de forma a garantir que não está em risco ( exposição negativa da marca ou problemas legal referentes a questões ambientais).  

Não existe uma abordagem correta para o Green Procurement, embora as diferentes ferramentas disponíveis para a avaliação dos fornecedores sejam fundamentais para a definição de parceiros estratégicos,   melhoria do desempenho e gestão do risco. Essas ferramentas incluem auditorias de ciclo de vida do produto, treinamentos  ISO14000, pegada de carbono, Eficiência energética, protocolos customizados etc... O importante é ter um conhecimento mais aprofundado das áreas e processos mais críticos da organização, de forma a definir cuidadosamente as ferramentas apropriadas para o nível de risco que se quer controlar.

Para mais informações entre em contato.