Skip to Menu Skip to Search Contate-nos Brazil Sites e Idiomas Skip to Content

O Jornal Terra Viva publicou, no dia 28 de dezembro, a segunda e última reportagem especial sobre a Estação Quarentenária.

A segunda e última reportagem especial mostrou os diferenciais da unidade instalada no município de Piracicaba (SP). Com o título “Conheça como é o processo de certificação de sementes”, a matéria abordou o minucioso processo de análise de sementes e partes de planta dentro da estação. 

A reportagem entrevistou o taxinomista Tarciso Bortolin e a biológa Annelise Tremocoldi, que detalharam o funcionamento da estação e mostraram os equipamentos de última geração da unidade. Tarciso, inclusive, lembrou que, recentemente, a Estação Quarentenária detectou uma nova praga em semente de soja importada. “Uma praga que não tem registro no país e não constava na lista quarentenária. A partir de agora ela é tida como quarentenária de não ocorrência.”

Annelise, por sua vez, afirmou que, se de repente existe a introdução de uma praga ausente no país, as lavouras podem ter contaminação e perdas gigantes para o agricultor. “Se não temos a praga no país, também não temos um tratamento específico, seja químico ou controle biológico.” 

Quando as sementes ou partes de planta chegam à Estação Quarentenária da SGS, elas seguem para a câmara fria. Apenas os profissionais autorizados podem fazer o manuseio dos materiais nesta etapa de análise, que é visual. Em seguida, os materiais seguem para o laboratório, onde é utilizado até mesmo técnicas de DNA em busca de pragas. A última etapa é semear e cultivar em câmara de germinação e crescimento desenvolvido pela SGS para o projeto para análises mais detalhadas. Determinadas bactérias podem não ser identificadas inicialmente, mas são vistas nesta etapa do processo.

A investigação dentro da Estação Quarentenária da SGS começa com o entomologista/taxionomista, que faz análise para insetos, ácaros e nematoides. Depois, especialistas em plantas infestantes, fungos, bactérias e vírus concluem o processo. “Quando é  descoberto algum inseto desconhecido, imediatamente reporta-se para o Ministério da Agricultura”, afirma Tarciso.

Veja a íntegra da segunda reportagem clicando no link abaixo:

Reportagem 2


Edson corbo
Grupo SGS Brasil
Agriculture, Food and Life - Seed & Crops

Tel.: 34 9192 8521
edson.corbo@sgs.com